"A investigação realizada no IBEB tem uma forte componente prática e que já resultou no registo de várias patentes. Damos muito valor à criatividade e inovação científicas no nosso trabalho"


Phd Alexandre Andrade

Diretor do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica

Localização: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Campo Grande.

Missão: A missão do IBEB é contribuir para a melhoria do conhecimento e treino científicos relacionados com a física e a fisiologia em oncologia e neurociências, para o benefício da sociedade.

Objetivos:

  • Apoio à investigação científica criativa e ambiciosa;
  • Dar ênfase nas abordagens multi- e inter-disciplinares;
  • Usar os princípios físicos e de engenharia em Diagnóstico e Terapia;
  • Dar apoio à formação pré- e pós-graduada em Engenharia Biomédica;
  • Garantir oportunidades de investigação translacional e clínica;
  • Desenvolver parcerias estratégicas que complementem e potenciem as suas áreas de excelência;
  • Promover interações com a indústria com o intuito de promover a inovação e a criação de valor;
  • Manter uma relação de proximidade entre a investigação e a sociedade;
  • Aumentar a satisfação e as aspirações dos jovens Engenheiros Biomédicos;

Equipa: + 50 professores doutorados, investigadores, assistentes, estagiários, doutorandos e mestrandos

Projetos e Colaborações: O IBEB conta com colaborações quer nacionais quer internacionais tais como Harvard University (USA), Cambridge University (UK), German Cancer Research Center (DFKZ) e Biomedical Institute for Research on Light and Image (IBILI) – Coimbra – Portugal. Participa em vários projetos de investigação financiados por entidades nacionais e internacionais. Esses projetos dão origem a publicações, patentes e oportunidades de bolsas para investigadores em fases diferentes da sua carreira científica.Entre esses projetos encontram-se por exemplo: Biomarcadores neuroimagiológicos para o Diagnóstico de doenças Neuropsiquiátricas, com recurso a Inteligência Artificial e Redes Sinápticas e abordagens compreensivas de medicina personalizada em doenças neurocomportamentais ao longo da vida. Conhece todos os projetos em desenvolvimento no IBEB.

 

Os nossos estagiários

Inês Jorge

Estágio PIIC Realizado em 2019

Duração do estágio: 5-6 semanas

No que consistiu o estágio? Tiveste que desenvolver algo ou tratou-se de um estágio de carácter observacional?

Teve lugar no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tendo estado alinhado com o trabalho da professora Raquel Conceição, na vertente de imagem médica e diagnóstico, que se centra na deteção e classificação de cancro da mama usando imagem por micro-ondas com radar de banda ultra-larga. O trabalho que desenvolvi surgiu da necessidade de realizar um estudo de viabilidade para modelação de crescimento e regressão tumoral, procurando e comparando os modelos computacionais que melhor descrevessem os processos biológicos in vivo. Deste trabalho de pesquisa resultou um pequeno “artigo de revisão” sobre modelação computacional de tumores. Tive ainda oportunidade de experienciar a vertente mais prática desta área, através da implementação de um artigo científico afeto à modelação computacional do desenvolvimento tumoral durante tratamentos de quimioterapia.

O estágio realizado foi ao encontro das tuas espectativas?

Confesso que, na altura da procura por estágio, tinha em mente realizá-lo numa área totalmente diferente. No entanto, apesar de não ter realizado o meu PIIC na área que inicialmente procurava, acabou por ser uma experiência muito positiva. A integração nas atividades duma equipa de investigação e vivência da dinâmica do seu dia-a-dia e a aquisição de conhecimentos em temas que nunca tinha imaginado trabalhar foi uma peça importante na visão, para o passado e para o futuro, do meu percurso. É importante manter abertura para as várias propostas que vamos vendo e recebendo num processo como este, porque em todo o lado, em todas as áreas, há bastante para aprender, e a oportunidade de descobrirmos um novo interesse está sempre latente.

Filipa Rebelo

Estágio PIIC Realizado em 2019

Duração do estágio: 1 mês

No que consistiu o estágio? Tiveste que desenvolver algo ou tratou-se de um estágio de carácter observacional?

Foi um estágio de investigação (PIIC). Estagiei no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB), onde trabalhei com a start-upEMOTAI. O meu trabalho consistiu na criação de um algoritmo em Python que fizesse a extração da taxa respiratória de um sinal de PPG usando o dispositivo wearable que a EMOTAI se encontrava a desenvolver.

O estágio realizado foi ao encontro das tuas espectativas?

Foi totalmente ao encontro das minhas expectativas pois, como estágio curricular, sempre quis integrar um projeto que me permitisse aprofundar as competências práticas que já tinha adquirido ao longo do curso, ou mesmo aprender novas competências. No final deste estágio acabei por aprender uma nova linguagem de programação, bem como o processamento de sinal fisiológico (matérias que só me foram introduzidas 3 semestres mais tarde em contexto académico).