Genética

Newly identified gene could improve treatment for multiple sclerosis

Foi identificado um gene que pode vir a ajudar no tratamento da Esclerose Múltipla, uma doença neurológica crónica que afeta cerca de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo. Sem causas totalmente definidas e sem cura de momento, esta descoberta pode vir a ser crucial para perceber melhor os mecanismos subjacentes à doença e para identificar uma potencial cura.

Investigadores do Karolinska Institutet, na Suécia, identificaram um gene que protege um tipo específico de células no cérebro – os oligodendrócitos. Pensa-se que a destruição destas células por parte do sistema imunitário é um dos mecanismos responsáveis pela doença, e o gene descoberto é responsável pela sua maturação.

Artigo publicado a 14 de agosto de 2020

Ferramenta de ADN "corrige" 89% dos erros genéticos associados a doenças

“Investigação revelou que a tecnologia tem potencial para corrigir 89% das 75 mil variações genéticas associadas a doenças.
Foi testado para corrigir variantes genéticas que causam a anemia falciforme ou a doença de Tay-Sachs.
(…)
A descoberta foi anunciada esta semana na Nature. A tecnologia foi descrita como um “processador de texto genético”, capaz de reescrever com precisão o ADN.”

Artigo publicado em SIC Notícias, 22 de outubro de 2019

Gémeas geneticamente editadas podem ter esperança de vida reduzida

Entre os dias 17 a 20 de julho de 2019 decorreu na Universidade do Minho, em Braga, a 2ª edição do Team Weakend.

Após o sucesso que foi a 1ª edição do Team Weakend 2018, a Associação Nacional de Estudantes de Engenharia Biomédica, ANEEB, voltou a apostar neste evento que visa fomentar o diálogo e a discussão acerca do ensino e profissionalização da Engenharia Biomédica, junto dos seus estudantes, representantes núcleos, professores e profissionais da área.

Como atividade finalizadora deste evento, no dia 20 de julho decorreu, na Universidade do Minho, a 8ª Assembleia Geral Ordinária da ANEEB, na qual o NBN marcou presença como associado efetivo desta federação e com vista a zelar pelos interesses de todos os seus sócios.

Se ainda não conheces a ANEEB e o seu trabalho, visita o site oficial em aneeb.pt e fica atento às próximas novidades e eventos!

Artigo escrito por Andrea Cunha Freitas, em Público, 4 de junho de 2019

Impressão 3D

Bio-Ink for 3-D Printing Inside the Body

As listas para doação de órgãos cada vez são maiores, e muitas das pessoas que estão em lista de espera, estão em estado critico e necessitam de um órgão urgentemente. Por um lado, encontrar órgãos é uma tarefa complicada, muito mais quando o órgão tem de ser compatível com a pessoa que o vai receber. Por outro há a possibilidade de imprimir órgãos, mas este procedimento também leva muito tempo. Para contornar este problema criaram uma bio-ink que pode ser posto de forma segura dentro do corpo através de pequenas incisões, permitindo que a impressão 3D possa ser feita no corpo de uma pessoa.
“A way around this problem could be provided by new bio-ink, composed of living cells suspended in a gel, that is safe for use inside people and could help enable 3-D printing in the body. Doctors could produce living parts inside patients through small incisions using minimally invasive surgical techniques. Such an option might prove safer and faster than major surgery.
One challenge with bio-printing inside the body is that current bio-inks often require ultraviolet light in order to solidify, but ultraviolet rays can damage internal organs. Another problem is how to attach printed tissues effectively to soft live organs and tissues.”

Artigo escrito por Charles Q. Choi, em IEEE Spectrum, 1 de julho de 2020

Build A Sophisticated Microscope Using Lego, 3D Printing, Arduinos, and a Raspberry Pi

I am a member of a team at IBM Research–Europe, in Zurich, developing microfluidic technologies for medical applications. Two years ago, I was asked to provide high-quality photos and videos of our microfluidic chips for a big tech event. I borrowed a 4K camcorder from a colleague, attached a macro lens to it, built a custom light diffuser using an LED matrix and polyester film, and positioned everything using a high-end tripod and a few micromanipulators. I was able to take eye-catching videos as liquids filled microfluidic channels. It was clear to me that this should be the new level of quality and style for our publications and presentations. However, my photo setup occupied half a bench in our lab and it required hours of fine adjustments to record one shot.

As a DIY enthusiast, I quickly found myself in my own quest to build a better setup. The result was a US $300 modular and motorized microscope that combines my three favorite adulthood hobbies: Arduino, Raspberry Pi, and Lego.

Artigo escrito por Yuksel Temiz, em IEEE Spectrum, 24 de abril de 2020

Covid-19: SEAT transforma motores de limpa para-brisas em ventiladores

“Desenvolvido nas instalações da marca do Grupo VW, em Martorell, com a supervisão do diretor do gabinete de inovação de um dos mais importantes hospitais do país, o equipamento médico será produzido por impressoras 3D industriais, o que torna possível o fabrico de 50 a 100 unidades por dia, já a partir da próxima semana.”

Artigo publicado em 24 de março de 2020

Imprimir pele e ossos no espaço? A ESA criou as primeiras amostras “de cabeça para baixo”

Numa viagem interplanetária, os humanos terão de passar anos no espaço, sob efeito da microgravidade e das perigosas radiações cósmicas – o que causa degradação óssea. Como regressar à Terra não é opção, esta técnica de impressão 3D “invertida” será útil em caso de emergências médicas.

‘A tripulação correrá muitos riscos (…) Levar abastecimentos médicos suficientes para todas as eventualidades seria impossível na área e carga limitadas de uma aeronave’, explica o supervisor do projecto da ESA, Tommaso Ghidini, citado em comunicado. A solução é bio-imprimir, consoante as necessidades.

Ghidini afirma que “como o material bio-impresso é criado com células do próprio astronauta, não haverá possibilidade de rejeição do transplante.

Artigo escrito por Cláudia Carvalho Silva, em Público, 9 de julho de 2019

Photo by E.I. Galanzha

Laser Destroys Cancer Cells Circulating in the Blood

Tumor cells that spread cancer via the bloodstream face a new foe: a laser beam, shined from outside the skin, that finds and kills these metastatic little demons on the spot.

In a study published in Science Translational Medicine, researchers revealed that their system accurately detected these cells (…) with a sensitivity that is about 1,000 times better than current technology. That’s an achievement in itself, but the research team was also able to kill a high percentage of the cancer-spreading cells, in real time, as they raced through the veins of the participants.

“This technology has the potential to significantly inhibit metastasis progression,” says Vladimir Zharov, director of the nanomedicine center at the University of Arkansas for Medical Sciences, who led the research.

Artigo escrito por Emily Waltz, em IEEE Spectrum, 12 de junho de 2019

Neurociência

Re-designed natural enzyme could reverse nerve damage caused by stroke, spinal cord injury

Uma equipa de investigadores da University of Toronto Engineering e da University of Michigan conseguiram modificar e melhorar uma enzima com potencial para promover o novo crescimento de tecido nervoso lesionado.
“To narrow down the search space, the team applied computer algorithms that mimicked the types of amino acid substitutions found in real organisms. This approach — known as consensus design — produces mutant forms of the enzyme that don’t exist in nature, but are plausibly like those that do.”

Artigo publicado em 25 de agosto de 2020 

Neurostimulation Device Reduces Withdrawal Symptoms of Kids Born Addicted to Opioids

Muitas crianças recém-nascidas de mães viciadas em opioides sofrem sintomas de abstinência nas suas primeiras semanas de vida. Isso faz com que estes bebés sofram muito, tendo sintomas como tremores, irritabilidade e convulsões que podem durar dias, semanas ou até meses. O tratamento utilizado nestes casos é a morfina que alivia os sintomas enquanto as crianças sofrem o desmame desta dependência.
No âmbito deste problema, a Spark Biomedical criou um dispositivo capaz de diminuir a duração do tratamento, reduzindo a dependência dos bebés aos opioides.
“A new electrical device, called Roo from Spark Biomedical, is now undergoing testing, that may help shorten the weaning time to ten days or less by stimulating the cranial nerve branches on and near the ear. The therapy it administers, called Transcutaneous Auricular Neurostimulation (tAN), reportedly motivates the brain to release endorphins that bind to opioid receptors, and thereby reduce the brain’s hunger for opioids. This technology was already successfully tested in a clinical trial on adult patients suffering from opioid withdrawal, so the same gentle-to-administer therapy was attempted with neonates as well.”

Artigo publicado em 11 de agosto de 2020 

Research Suggests Viability of Brain Computer to Improve Function in Paralyzed Patient

Está a ser desenvolvido um dispositivo biocompatível que consegue, através de uma interface wireless, ser implementado em regiões do cérebro, como o córtex motor, de forma a diminuir a paralisia em pacientes que sofrem de doenças como a esclerose lateral amiotrófica.

“The results in this first human trial show promise that this device may restore voluntary motor function of personal computers and devices for patients with severe paralysis due to brain, spinal cord, peripheral nerve or muscle dysfunction,”

Artigo publicado em 6 de agosto de 2020 

Novel drug delivery particles use neurotransmitters as a ‘passport’ into the brain

A barreira hematoencefálica é conhecida desde há 100 anos, quando se realizaram experiências que indicavam a existência de uma permeabilidade seletiva na passagem de sangue para o interior do Sistema Nervoso Central.

Este fator condiciona o tratamento de doenças neurodegenerativas como é o caso da doença de Alzheimer, Parkinson e tumores cerebrais, uma vez que esta seletividade dificulta bastante a passagem de substâncias reguladoras, inibidoras ou outras utilizadas para o tratamento do paciente.

Engenheiros Biomédicos conseguiram desenvolver nanopartículas que potencializam a passagem de medicamentos, macromoléculas e até mesmo proteínas capazes de influenciar a expressão génica.

“Biomedical engineers at the Tufts University School of Engineering have developed tiny lipid-based nanoparticles that incorporate neurotranmitters to help carry drugs, large molecules, and even gene editing proteins across the blood-brain barrier and into the brain in mice. The innovation, published today in Science Advances, could overcome many of the current limitations encountered in delivering therapeutics into the central nervous system, and opens up the possibility of using a wide range of therapeutics that would otherwise not have access to the brain.”

Artigo publicado em 28 de julho de 2020 

Study may pave for new therapeutic approaches for Parkinson's disease

Sabias que cerca de 6.2 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem da doença de Parkinson?
De forma a combater este número, uma colaboração entre investigadores da Universidade de Cambridge e Exeter estão a estudar formas de inibir a agregação de proteinas alpha-synuclein (aSyn), que está identificada como sendo um dos principais fatores para o aparecimento desta patologia.

“Alpha-synuclein aggregates are the hallmark of neurodegenerative disorders, such as Parkinson’s disease. Their findings, published today in Nature Communications, identify potential new therapeutic targets in the treatment of Parkinson’s disease.”

Artigo publicado em 5 de junho de 2020 

AI successfully used to identify different types of brain injuries

A tomografia computorizada é utilizada para diferenciar lesões cerebrais graves de ferimentos ligeiros, contudo a análise dos seus resultados é morosa e apenas em cerca de 15% casos é assertiva no diagnóstico de problemas graves. Esta tecnologia pretende revolucionar a velocidade e precisão da análise, potenciando um tratamento mais adequado a todos os pacientes!

“The researchers, from the University of Cambridge and Imperial College London, have clinically validated and tested the AI on large sets of CT scans and found that it was successfully able to detect, segment, quantify and differentiate different types of brain lesions.”

Artigo por University of Cambridge, 15 de maio de 2020 

Scientists regenerate neurons in mice with spinal cord injury and optic nerve damage

Apesar de muitos dos tecidos que nos constituem terem capacidade de regeneração, o mesmo não acontece para tecido nervoso como os axónios. Mas e se, através de uma molécula que estimula o crescimento celular, fosse possível encontrar uma solução para este problema?

“We observed a lot of axon regrowth, which could be very significant clinically, since there currently are no regenerative treatments for spinal cord injury or optic nerve injury”

Artigo por Temple University Health System, em Science Daily, 30 abril de 2020 

Como a inteligência artificial pode ajudar operações a cancro no cérebro

“A Inteligência Artificial (IA) pode permitir uma análise “quase em tempo real” de um tumor no cérebro durante a operação para o remover, ajudando os cirurgiões de forma mais “segura e precisa”, indica um estudo divulgado esta segunda-feira.

A ferramenta, testada por uma equipa de investigadores norte-americanos, pode dizer em menos de dois minutos e meio se as células removidas são cancerígenas ou não, contra 20 a 30 minutos de uma análise convencional, segundo um artigo publicado hoje na revista Nature Medicine.”

Artigo publicado em SIC Notícias, 6 de janeiro de 2019 

Técnica de animação suspensa está a ser testada pela primeira vez em humanos

“Arrefecer o corpo até temperaturas muito baixas ajuda os órgãos, como o cérebro, a precisarem de muito menos oxigénio do que em circunstâncias normais. Na prática, quer dizer que, com o paciente neste estado, os cirurgiões podem ter até duas horas para operar, em vez de apenas uns minutos.
Depois dos bons resultados da técnica em animais, a FDA, o organismo que regula o setor da saúde nos EUA, aprovou os testes em humanos, determinando que não é preciso o consentimento dos pacientes, uma vez que em causa estarão lesões provavelmente fatais e sem tratamento alternativo.”

Artigo publicado em Visão Saúde, 22 de novembro de 2019 

New AI System Predicts Seizures With Near-Perfect Accuracy

“For the roughly 50 million people worldwide with epilepsy, the exchange of electrical signals between cells in their brain can sometimes go haywire and cause a seizure—often with little to no warning. Two researchers at the University of Louisiana at Lafayette have developed a new AI-powered model that can predict the occurrence of seizures up to one hour before onset with 99.6 percent accuracy.”

Artigo escrito por Michelle Hampson, em IEEE Spectrum, 15 de novembro de 2019 

Four types of brain cells identified based on Electrical Spiking Activity

We often dumb down our most complex organ—the brain—by referring to most of its constituents as simply “neurons.” There are, in fact, many different types of neurons, but for most of them, we don’t know enough about how they work to even give them a name.

Recently researchers in Germany and the United States managed to classify four distinct types of neurons based on their electrical spiking behavior. The classifications could help researchers better understand how these types of neurons function, and lead to more precise methods for treating psychiatric disorders.

Artigo escrito por Emily Waltz, em IEEE SPECTRUM, 30 agosto de 2019 

Descoberto novo "orgão" na pele sensível à dor

Com formato semelhante a um polvo, o novo “órgão” poderá ser uma chave importante no tratamento da dor crónica]

“A pele é o maior órgão do corpo humano e continua a esconder vários mistérios sobre a forma como o nosso organismo funciona. Agora uma descoberta recente de investigadores do Instituto Karolinska, na Suécia, veio revelar um pouco mais sobre o que está por detrás da pele e, mais especificamente, sobre os mecanismos de sensação da dor.
(…)
‘O nosso estudo mostra que a sensibilidade à dor não ocorre apenas nas fibras nervosas da pele, mas também neste órgão sensível à dor recentemente descoberto’, afirmou Patrik Ernfors, professor do departamento de bioquímica e biofísica médica do Instituto Karolinska e autor principal do estudo.”

Artigo publicado em Público, 16 de agosto de 2019

Investigação financiada pelo Facebook leu actividade cerebral

Em 2017, Mark Zuckerberg anunciou que o Facebook estava a trabalhar em tecnologia para um dia permitir às pessoas escreverem através do pensamento e interagirem com computadores. Dois anos depois, uma investigação científica financiada pela empresa foi capaz de descodificar actividade cerebral, associando-a a palavras e frases. (…)

O trabalho foi agora detalhado num artigo na revista científica Nature Communications, no qual os resultados são descritos como um passo para a criação de sistemas capazes de ajudar pessoas que perderam a fala devido a lesões ou doenças neurológicas.

Artigo escrito por João Pedro Pereira, em Público, 31 de julho de 2019

Scanning your eyes for Alzheimer's

Current tests to diagnose Alzheimer’s disease (AD) are expensive, often invasive, and catch the disease only after symptoms have emerged. These tests include cognitive evaluations, such as memorization exercises; neuroimaging via costly PET and MRI scans; and measuring levels of Alzheimer’s associated proteins, amyloid beta and tau, in the cerebral spinal fluid.

In contrast to those existing options, the ADDF winners want to make tests that are less expensive, portable, and detect AD far earlier in life.

At the University of Edinburgh in Scotland, Tom MacGillivray received $488,997 to develop a comprehensive eye scan system analyzing multiple biomarkers in the eye to detect brain degeneration. “We can look inside the human body through the natural window of the retina,” he told IEEE Spectrum.

Artigo escrito por Megan Scudellari, em IEEE SPECTRUM, 6 de junho de 2019

Leve “batida” eléctrica ajudou a recuperar a memória que se perde com a idade

Investigadores conseguiram reverter o declínio da memória relacionado com a idade através de fracos estímulos eléctricos sincronizados em determinadas regiões do cérebro.

Uma equipa de investigadores conseguiu reverter o declínio da memória relacionado com a idade através de uma estimulação das áreas temporais e pré-frontais do cérebro num ritmo específico, segundo um estudo publicado esta semana na revista Nature Neuroscience.

Artigo escrito por Andrea Cunha Freitas, em Público, 8 de abril de 2019

Saúde

Discovery could help enhance the effectiveness of immunotherapy against melanoma

Melanoma – um tipo grave de cancro da pele – é um cancro que quanto mais cedo for diagnosticado, melhores são as chances de recuperação total, sendo a percentagem de sobrevivência nos primeiros 5 anos após diagnóstico cerca de 92%. Apesar disto, tratamentos imunoterapêuticos continuam a revelar pouca eficácia em aproximadamente metade dos doentes que os recebem.
Investigadores da Universidade de Bern, na Suíça, descobriram um mecanismo no nosso sistema imunitário que pode ajudar a aumentar a eficácia destes tratamentos. De um ponto de vista estatístico, doentes que recebam um tratamento que tenha esta descoberta em conta têm maior probabilidade de sobreviver a este cancro.

Artigo escrito por Emily Henderson, 19 de setembro de 2020

Synthetic coating for the GI tract could deliver drugs or aid in digestion

Com o objetivo inicial de desenvolver medicamentos em forma de líquido em alternativa a medicamentos em cápsulas, mais difíceis de engolir especialmente para crianças, os engenheiros do MIT descobriram uma forma de aplicar um revestimento sintético temporário ao revestimento do intestino delgado. Este revestimento pode ser adaptado para administrar medicamentos, auxiliar na digestão ou até evitar que nutrientes sejam absorvidos. Esta técnica pode ajudar em doenças como a obesidade e a diabetes.
“For another application, the researchers incorporated a drug called praziquantel, which is used to treat schistosomiasis, a tropical disease caused by parasitic worms. Usually this drug has to be given three times a day, but using this formulation, it could be given just once a day and gradually released throughout the day. This approach could also be useful for antibiotics that have to be given more than once a day, the researchers say.
Lastly, the researchers showed that they could embed the polymer with tiny crosslinkers that make the coating impenetrable to glucose (and potentially other molecules). This could help in the management of diabetes, obesity, or other metabolic disorders, the researchers say.”

Artigo escrito por Anne Trafton, 26 de agosto de 2020

Nanostimulators Activate Damaged Tissue to Heal Itself

O transplante de células-tronco tem sido promissor para o tratamento de doenças arteriais periféricas. As células-tronco ao comportarem-se como biorreatores vivos de fatores parácrinos, possibilitam a regeneração do tecido. A nova abordagem feita pela Universidade de Illinois defende que as células-tronco tenham nanoestimuladores que promovem a vascularização num chip microvascular 3D e melhoram a recuperação da perfusão. Assim esta estratégia vai agilizar o uso clínico de células-tronco para melhores tratamentos de várias lesões e doenças.
“The primary benefit of stem cells toward tissue regeneration is not necessarily the ability for the cells to replace lost tissue, but to release beneficial growth factors and cytokines that assist in the process,” said Marni Boppart, co-author of the study appearing in journal ACS Nano, in a U of I press release. “The nanostimulators allow cells to release the beneficial factors longer than they would otherwise. This provides a significant advantage, particularly when cells are transplanted into injured, diseased or aged tissues.”

Artigo publicado a 24 de julho de 2020

Aiding mRNA vaccine development

O desenvolvimento da vacina para o COVID-19 continua a ser uma das maiores prioridades da área da investigação científica em todo o mundo. DNA, RNA, proteínas, vetores virais e vírus inativos têm sido as bases mais utilizadas no desenvolvimento da vacina. No entanto, investigadores Biomédicos descobriram que o mRNA poderá ser usado como uma plataforma poderosa para o desenvolvimento de imunidade, tanto humoral como mediada por células, para o COVID-19.

“An effective COVID-19 vaccine will likely require the induction of both immunities, and mRNA vaccines have the potential to confer these immunities by inducing neutralizing antibodies (Ab) and cytotoxic CD8 T cells (CTL).(…) Associate Professor Qiaobing Xu at Tufts University and Professor Jianzhu Chen from the Koch Institute for Integrative Cancer Research at Massachusetts Institute of Technology have received funding from Massachusetts Consortium on Pathogen Readiness (MassCPR) Award to address two of those challenges.”

Artigo publicado a 16 de julho de 2020

Custom nanoparticle regresses tumors when exposed to light

Uma equipa de investigadores da Universidade Pennsylvania State criou um tipo de nanopartícula que, quando exposta a luz com um determinado comprimento de onda, é capaz de inativar células cancerígenas com elevada precisão não só temporal mas também espacial.

“Delivering and activating miRNA only at the site of the tumor reduces these side effects and can increase the overall effectiveness of the treatment”, disse Daniel Hayes, professor de Engenharia Biomédica.

Para além de mais localizado e com menos efeitos adversos, este tratamento pode estar também associado a uma menor capacidade por parte das células de ganhar resistência, possivelmente mantendo a sua eficácia a longo prazo.

Artigo escrito por Kevin Sliman, 7 de julho de 2020

Innovative Engineering Solutions Contribute to COVID-19 Medical Protection

Para lutar contra o COVID-19, muitas organizações têm produzido soluções inovadoras que contribuem para a proteção dos que lidam diariamente com pessoas infetadas. Duas dessas soluções são o MAXAIR Controlled Air Purifying Respirator (CAPR) e o Disposable Face Shields.

“When the COVID-19 pandemic broke out, Culpepper and his colleagues at MIT began participating in brainstorming sessions on Zoom, working through ways they could apply their expertise and contribute solutions. After brainstorming and prototyping, Culpepper and his team at Project Manus designed a face shield that could be rapidly produced at a scale large enough to meet the growing demand. They landed on a flat design that people could quickly fold into a three-dimensional structure when the shield was ready for use. Their design also includes extra protection, with flaps that fold under the neck and over the forehead.”

Artigo escrito por Bill Lydon, 29 de maio de 2020

Dementia gene raises risk of severe COVID-19

Investigadores da University of Exeter Medical School e da University of Connecticut School of Medicine realizaram um estudo em larga escala cujo resultados suportam a ideia de que pessoas com um gene específico relacionado com demência têm uma alta probabilidade de serem infetadas com COVID-19. O facto mais alarmante é que este grupo de indivíduos não está declarado como grupo de risco.

“Researchers at the University of Exeter Medical School and the University of Connecticut School of Medicine analysed data from the UK Biobank, and found high risk of severe COVID-19 infection among European ancestry participants who carry two faulty copies of the APOE gene (termed e4e4). One in 36 people of European ancestry have two faulty copies of this gene, and this is known to increase risks of Alzheimer’s disease up to 14-fold* and also increases risks of heart disease.”

Artigo publicado em Neuroscience News, 26 de maio de 2020

3D brain-like tissue model links Alzheimer’s disease with herpes

A descoberta de novas formas de tratamento de doenças degenerativas constitui uma prioridade para as ciências médicas. Um dos impasses para o desenvolvimento da tecnologia de combate a estas doenças é o desconhecimento da sua origem. O estabelecimento de relações entre agentes patogénicos e estas condições médicas torna-se assim imperativo para a sua resolução. Investigadores acreditam ter encontrado uma relação entre a infeção pelo vírus HSV-1 (vírus do Herpes) e o aparecimento da doença de Alzheimer.

“Engineers and scientists led by Tufts University used a three-dimensional (3D) human tissue culture model mimicking the components and conditions in the brain to demonstrate a possible causal relationship between sporadic Alzheimer’s disease and herpes simplex virus I infection (HSV-1). Reported today in Science Advances, the model will allow for further studies into the causes and possible treatments of this devastating neurodegenerative condition.”

Artigo escrito por Dana Cairns, Tufts University, 6 de maio de 2020

Monitoring COVID-19 from hospital to home: First wearable device continuously tracks key symptoms

“Researchers at Northwestern University and Shirley Ryan AbilityLab in Chicago have developed a novel wearable device and are creating a set of data algorithms specifically tailored to catch early signs and symptoms associated with COVID-19 and to monitor patients as the illness progresses.”

Artigo escrito por Amanda Morris, Northwestern University, 5 de maio de 2020

A reinvenção das universidades para combater o vírus

“As universidades portuguesas estão a adaptar-se a uma nova realidade e são agora uma peça fundamental no combate ao covid-19. Desde a análise de amostras à produção de líquido para zaragatoas, investigadores arranjaram formas de fazer cá o que se compra lá fora.”

Artigo escrito por Rita Pereira Carvalho, em 2 de abril de 2020

Wearable Patch Uses Machine Learning to Detect Sleep Apnea

“Getting screened for sleep apnea often means spending a night in a special clinic hooked up to sensors that measure your brain activity, eye movement, and blood oxygen levels. But for long-term, more convenient monitoring of sleep apnea, a team of researchers has developed a wearable device that tracks a user’s breathing.”

Artigo escrito por Michelle Hampson, em IEEE Spectrum, em 7 de fevereiro de 2020

Cientistas criam ultrassom que mata células cancerígenas

“A equipa da Caltech explica que a utilização de impulsos de ultrassom de baixa intensidade consegue eliminar células cancerígenas, sem impacto nas células saudáveis. Os cientistas concluiram que usar impulsos de alta densidade leva ao aquecimento de tecidos e pode matar as células boas também.
(…)
A equipa está a recolher amostras de células cancerígenas de humanos e ratos, com foco no cancro do cólon e da mama. Os testes vão passar por células sãs, incluindo células imunitárias, para verificar o efeito dos ultrassons, noticia o Slashgear.”

Artigo publicado em 10 de fevereiro de 2020

Quantum Dots Encode Vaccine History in the Skin

“Now, a team of MIT bioengineers has developed a way to keep invisible vaccine records under the skin. Delivered through a microneedle patch, biocompatible quantum dots embed in the skin and fluoresce under near-infrared light—creating a glowing trace that can be detected at least five years after vaccination.”

Artigo escrito por Megan Scudellari, em IEEE Spectrum, 18 de dezembro de 2019

Descoberto novo vírus em fluidos do corpo humano

“Estas descobertas, cuja investigação foi conduzida por uma equipa da Universidade de Ciências da Saúde Karl Landsteiner (KL Krems), Universidade de Medicina Veterinária de Viena, e Universidade de Lisboa, podem ajudar a descobrir mais sobre fagos e a sua ação no corpo humano. Estes vírus podem transmitir informação genética sobre resistência a antibióticos e toxinas, o que influencia a resposta do corpo a infeções.”

Artigo escrito por Leonor Riso, em Ciência e Saúde, 18 de novembro de 2019

Humanos conseguem regenerar cartilagens (quase) como as salamandras

““Os humanos não conseguem regenerar as pernas e os braços, mas parecem ter ainda alguma resposta à reparação natural, tal como as salamandras”, resume Virginia Byers Kraus. A equipa espera assim que este estudo contribua para o desenvolvimento do tratamento da artrite.
(…)
Agora, a equipa de Virginia Byers Kraus testará os micro-ARN regenerativos em animais com osteoartrite. “Estas experiências poderão levar-nos a aprender mais sobre o que falta aos humanos e o que têm as salamandras. Talvez a regeneração de membros humanos seja possível um dia.””

Artigo escrito por Teresa Sofia Serafim, em Público, 16 de outubro de 2019

Biomedical Engineering Research Looks to Catch Tumors Earlier

Two biomedical engineering researchers are studying whether metabolic changes in tissue could give clues to where tumors might form.

The research focuses on lung cancer, which is typically not identified until late stages. Rajaram will investigate the “field effect,” a phenomenon that suggests studying seemingly-normal tissue around a tumor might reveal underlying genetic changes that indicate whether another tumor could form.

Researchers will be using multiphoton microscopy, an advanced imaging technique used on living tissue, to examine three types of tissue: Normal tissue, tumor-adjacent tissue that appears normal, and tissue from a tumor. The goal is to understand how tumor-adjacent normal tissue might be different from truly normal tissue.

Artigo escrito por University of Arkansas, 7 de outubro de 2019

Combination therapy using fibrinogen γ‐chain peptide‐coated, ADP‐encapsulated liposomes and hemoglobin vesicles for trauma‐induced massive hemorrhage in thrombocytopenic rabbits

Cientistas japoneses criaram “sangue artificial” que poderá, em teoria, ser futuramente transfundido em pacientes humanos, independentemente do seu tipo sanguíneo.

O estudo faz importantes alertas, sobretudo porque ainda se encontra numa fase muito preliminar, no entanto, os primeiros resultados obtidos em experiências com coelhos foram já muito animadores. No artigo publicado no “The Journal of AABB Transfusion”, os investigadores revelaram que o seu objetivo era criar “sangue artificial” que conseguisse reproduzir as mesmas funções do sangue biológico, em especial o armazenamento e transporte de oxigénio. A ideia é usá-lo como um substituto seguro do sangue natural do paciente em casos de hemorragias severas, durante cirurgia ou após um acidente.

Segundo a OMS mais de 60 milhões de litros de sangue são doados anualmente em todo o mundo. Nas últimas décadas muitas têm sido as tentativas de produzir “sangue artificial” porém, ainda não é possível fazê-lo. Um “sangue artificial” seguro que possa ser usado como substituto do “original” representará uma autêntica revolução em todos os serviços de saúde ao redor do mundo

Artigopublicado em Wiley Online Library, 1 de julho de 2019

Defesa dos EUA dá um milhão de euros a cientista portuguesa para estudar doenças do intestino

“A doença inflamatória intestinal (colite ulcerosa e doença de Crohn) é uma doença global e crónica que afecta cerca de 2,5 milhões de pessoas na Europa, e estima-se que cerca de 15 a 20 mil indivíduos sofram da doença em Portugal.
(…)
‘Esta é uma doença devastadora, porque o comprometimento social destes doentes é imenso e porque obriga a hospitalizações consecutivas. Portanto, qualquer estratégia que possa identificar os mecanismos causais vai abrir seguramente janelas para o desenvolvimento de terapias capazes de prevenir o desenvolvimento da doença.'”

Artigo escrito em publicado em Público, 4 de outubro de 2019

A saúde de amanhã

Jan-Philipp Beck é CEO da EIT Health – uma rede que liga alguns dos melhores agentes de inovação em saúde, apoiada pela UE, com o objetivo de fornecer novas soluções que permitam aos cidadãos viver vidas mais longas e saudáveis.

Com o aumento das doenças crónicas e da multimorbilidade, é recorrendo à tecnologia e à partilha de conhecimento entre fronteiras que a EIT Health procura soluções mais eficientes para ir além das abordagens convencionais de tratamento, prevenção e estilos de vida saudáveis. Em entrevista, Jan-Philipp Beck explica por que acredita que a ideia de um sistema de saúde europeu único não estará para breve e como a inovação tecnológica pode mudar significativamente a forma como as organizações, os profissionais de saúde e os próprios pacientes gerem a sua saúde.

Artigo publicado em Diário de Notícias, 9 de setembro de 2019

Biomarcador assinala quistos de alto risco para cancro no pâncreas

Uma equipa de investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA, identificou um biomarcador em quistos pancreáticos que poderá servir para distinguir os casos mais preocupantes e que podem evoluir para cancro das situações aparentemente benignas. A descoberta poderá ser útil para a decisão clínica de avançar para uma complexa e arriscada cirurgia de remoção do quisto. De acordo com os autores do artigo publicado esta quarta-feira na revista Gastroenterology, este biomarcador garantirá cerca de 95% de precisão, enquanto as actuais orientações aprovadas pelos especialistas asseguram apenas 74%.

Artigo escrito por Andrea Cunha Freitas, em Público, 5 de junho de 2019

Tecnologia

New glove-like device mimics sense of touch

Através da combinação de dados de EEG, tecnologia de interface cérebro-computador e inteligência artificial, investigadores da Universidade de Helsínquia criaram um sistema que gera imagens que recriam o nosso pensamento.
Espera-se que esta técnica possa, futuramente, ser utilizada em psicologia e neurociência e, possivelmente, ser uma forma de aumentar a criatividade humana.
“If you want to draw or illustrate something but are unable to do so, the computer may help you to achieve your goal.”

Artigo  publicado em 21 de setembro de 2020

New glove-like device mimics sense of touch

Engenheiros da UNSW em Sydney inventaram um dispositivo que simula o sentido do tato em áreas localizadas da pele do mesmo modo que é sentido na realidade, através da força, vibração e movimento, tendo um grande potencial para aplicações médicas.
“What’s also special about our new technology is that it’s scalable and can be integrated into textiles for use in various potential applications such as telehealth, medical devices, surgical robots and training, augmented and virtual reality, teleoperation and industrial settings.
“The device aims to solve a common problem in emerging systems – such as assistive devices, remote surgery, self-driving cars and the guidance of human movements – where visual or auditory feedback can be slow, unintuitive and increase the cognitive load.”

Artigo escrito por  Caroline Tang, 9 de setembro de 2020

Artificial Iris Inside Smart Contacts Corrects Vision Disorders

Está a ser desenvolvida numa investigação conjunta pelo Imec, Ghent University e outros centros de investigação uma lente de contacto com uma iris artificialmente incorporada. Este dispositivo médico tem como objetivo adaptar-se ao olho do paciente de forma a corrigir anomalias e imperfeições que possam existir.
“By combining our expertise on miniaturized flexible electronics, low-power ASIC design and hybrid integration, we have demonstrated the capacity to develop a solution for people who suffer from iris deficiencies, higher order aberrations and photophobia, a common yet debilitating symptom seen in many neuro-ophthalmic disorders,”

Artigo publicado a 11 de setembro de 2020

Elon Musk Announces Neuralink Advance Toward Syncing Our Brains With AI

A Neural Link, empresa de Elon Musk, anunciou recentemente algo que poderá vir a revolucionar a área da BioInformática e da Engenharia Biomédica. Trata-se de um dispositivo que tornará possível a comunicação entre o cérebro e Inteligência Artifical.
A capacidade de comunicação entre estas interfaces abre as portas a um universo de possibilidades, ficando um passo mais próximos de realidades apenas antes vistas na ficção científica. O controlo de dispositivos eletrónicos com a mente, desenvolvimento de text-to-speech mais avançados e o controlo de membros prostéticos são algumas das mais aliciantes formas de utilização desta nova tecnologia.
É mesmo caso para dizer : um pequeno passo para Elon, um salto gigantesco para a Engenharia Biomédica.
“Celebrity engineer Elon Musk today announced a breakthrough in his endeavor to sync the human brain with artificial intelligence. During a live-streamed demonstration involving farm animals and a stage, Musk said that his company Neuralink had built a self-contained neural implant that can wirelessly transmit detailed brain activity without the aid of external hardware.”

Artigo escrito por Emily Waltz, 28 de agosto de 2020

Colon Explorer for Automatic Imaging and Biopsying of Polyps

O cancro do cólon é um dos mais diagnosticados a nível mundial, contudo, quando detetado numa fase inicial, tem uma alta taxa de sobrevivência. Tendo isto em conta, são realizados grandes números de colonoscopias, em especial a pacientes com mais de 50 anos, no entanto este é um exame demorado e muito doloroso, recorrendo-se usualmente a anestesia.
Considerando estes fatores, um grupo de investigadores da Universidade do Colorado Boulder criou o Endocoulus, um robô autónomo, de tamanho reduzido, que percorre o intestino com facilidade.

Artigo publicado a 27 de agosto de 2020

Smartphone App And Deep Learning Help Detect Diabetes

Em junho fizemos uma publicação acerca de uma área inovadora da Biomédica: a utilização de tinta bioativa, presente numa peça de roupa, como biomarcador da condição de saúde do seu utilizador.
Uma vez que recebeu bastante atenção da comunidade científica, esta ideia tem sido aprimorada, tendo-se desenvolvido novas aplicações que têm por base o halo e eletrocromismo destes biomarcadores, bem como novas plataformas para estas tintas bioativas, sendo possível a sua presença numa tenda de campismo.
Uma destas aplicações é ao nível da segurança pública, ao induzir uma mudança de cor na presença de um gás tóxico que poderia colocar em risco a saúde do seu utilizador e dos que o rodeiam.
“Wearable sensing devices such as smart watches and patches use electronics to monitor heart rate, blood glucose, and more. Now researchers at Tufts University’s Silklab say their new silk-based inks can respond to, and quantify, the presence of chemicals on or around the body. Silk’s ability to “act like a protective ‘cocoon’ for biological materials” means the necessary sensing and color-changing compounds can be added to the ink without losing their function, says Fiorenzo Omenetto, a biomedical engineer at Silklab and senior author of a new paper on the technology published in July in Advanced Materials.”

Artigo escrito por Jillian Kramer

Smartphone App And Deep Learning Help Detect Diabetes

Os smartphones são grandes aliados do nosso dia a dia, sobretudo pela facilidade com que permitem a realização de várias tarefas. Inspirando-se nisto, investigadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco, desenvolveram um “biomarcador digital” que utiliza as suas câmaras para a deteção de diabetes, uma das principais causas de doença e morte no mundo. Este método pode vir a ser uma boa alternativa às análises por colheita de sangue, muitas vezes desagradáveis aos pacientes.

Artigo escrito por Scott Jung, em 18 de agosto de 2020

Drawing Biomedical Electronics Directly Onto Skin

Uma equipa de investigadores da Universidade de Houston desenvolveu uma maneira de escrever circuitos elétricos diretamente na pele dos pacientes. Esta é uma forma inovadora para resolver os problemas muitas vezes associados aos dispositivos de monitorização, como sensores da frequência cardíaca, temperatura corporal, entre outros, que não se conseguem adaptar muitas vezes às características da pele e aos seus movimentos, podendo comprometer as medições.

“Using such an approach, the scientists have created fully functional sensing systems that can measure, with great accuracy and few artifacts, things such as skin hydration, electrophysiological signals, and body temperature.”

Artigo publicado em 30 de julho de 2020

Artificial Intelligence Identifies Prostate Cancer with Near-perfect Accuracy

Inteligência Artificial tem sido uma ferramenta muito importante para os mais variados avanços tecnológicos. Com o passar dos anos, a sua contribuição em áreas como a da Saúde e Engenharia Biomédica tem-se revelado cada vez mais evidente.

Através de IA, investigadores da Universidade de Pittsburgh apresentaram um estudo sobre o seu uso na deteção de cancro da próstata, tendo obtido os melhores resultados até à data em termos de precisão!

Ainda assim, Rajiv Dhir (Vice-Presidente do Departamento de Patologia do Centro Médico da mesma Universidade) não acredita que isto implique necessariamente uma superioridade dos algoritmos face à análise humana.

Artigo publicado em 28 de julho de 2020

Astronaut Bioengineers Human Cartilage in Space Using Magnetic Fields

Já pensaste em receber tratamento a bordo da ISS (International Space Station)? Através de tecidos criados por bioengenharia e com recurso a campos magnéticos agora é possível!

“The feat was achieved using a magnetic levitation bioassembly device installed onboard the station. The machine enables clusters of human cells to assemble into tissue structures, without the use of a physical scaffold. The experiment was described in a paper published today in the journal Science Advances.”

Artigo escrito por Emily Waltz, 15 de julho de 2020

Micro-LEDs and Solar Panels Wirelessly Power Medical Implants

Os implantes médicos, como pacemakers, desempenham várias funções nos pacientes e ajudam a melhorar a sua qualidade de vida, porém, para alimentar estes dispositivos, são frequentemente necessários reimplantes e cirurgias invasivas.
Na procura de uma solução mais permanente, cientistas do Gwangju Institute of Science and Technology desenvolveram um dispositivo que reduz a necessidade de reimplantes.
Um novo caminho para a inovação na tecnologia de implantes médicos!

““These results enable the long-term use of currently available implants, in addition to accelerating emerging types of electrical implants that require higher power to provide diverse, convenient diagnostic and therapeutic functions in human bodies”

Artigo escrito por Conn Hastings, 8 de julho de 2020

Bioengineered uterine tissue can support normal pregnancies, study showsn

Através de uma inovadora investigação no Wake Forest Institute for Regenerative Medicine, está a ser desenvolvido tecido uterino que é capaz suportar a fertilização, o desenvolvimento de um feto e, consequentemente, o nascimento do mesmo.
Os cientista responsáveis por este estudo esperam conseguir, desta forma, contornar problemas de infertilidade relacionados com o útero e evitar a limitação aliada à doação de transplantes.

“The study shows that engineered uterine tissue is able to support normal pregnancies, and fetal development was normal, with offspring size and weight being comparable to those from a normal uterus. With further development, this approach may provide a pathway to pregnancy for women with an abnormal uterus.”

Artigo escrito por Emily Henderson, 29 de junho de 2020

Smart Home Devices Can Reveal Behaviors Associated With Dementia

Smart Homes estão cada vez a tornar-se mais populares. A incorporação de gadgets é cada vez mais comum por toda a casa, criando uma enorme quantidade de funções que nos ligam à nossa própria habitação. Engenheiros Biomédicos utilizaram esta multifuncionalidade para armazenar dados informativos que, ao serem posteriormente analisados, são capazes de indicar comportamentos, por parte de quem habita a casa, que podem estar relacionados com o desenvolvimento de Demência.

“In a recent study, researchers demonstrate that it’s possible to use data from smart home devices to detect behavioral differences between people who are experiencing cognitive decline and healthy individuals. (…) Sprint and her collaborators at Washington State University developed a novel algorithm for analyzing data from smart home devices”

Artigo por Michelle Hampson, em IEEE Spectrum, em 23 de junho de 2020

Super-strong surgical tape detaches on demand

Engenheiros do Massachusetts Institute of Technology (MIT) projetaram um adesivo que permite selar rapidamente tecidos ou fixar dispositivos médicos nas superfícies de órgãos. Este pode vir a ser usado como substituto das suturas cirúrgicas.

“This is like a painless Band-Aid for internal organs,” says Xuanhe Zhao, professor of mechanical engineering and of civil and environmental engineering at MIT. “You put the adhesive on, and if for any reason you want to take it off, you can do so on-demand, without pain.”

Artigo por Jennifer Chu, em 22 de junho de 2020

Patch for Melanoma Treatment to Make Chemo Easier, Painless, More Effective

Um novo e melhorado método para tratamentos de quimioterapia em melanomas está a ser desenvolvido por cientistas da Universidade de Purdue! Como todos os tratamentos, a quimioterapia tradicional tem as suas limitações, estando geralmente associadas a uma baixa eficácia. Esta membrana de “pele” artificial vem contornar este obstáculo, tendo a capacidade de aumentar bastante a eficácia do tratamento graças às suas microagulhas melhoradas, diferentes das já existentes no mercado.

“We developed a novel wearable patch with fully miniaturized needles, enabling unobtrusive drug delivery through the skin for the management of skin cancers” disse Chi Hwan Lee, professora auxiliar de Engenharia Biomédica e Engenharia Mecânica da Universidade.

Artigo publicado em 18 de junho de 2020

MeniFluidics: New Technique for Engineering Living Materials

Criar biomateriais, com propriedades semelhantes às das células é desafiante, e para resolver esse problema investigadores da Universidade de Warwick desenvolveram uma técnica para padronizar populações bacterianas vivas usando um sistema fluídico controlado por menisco. A engenharia de comunidades bacterianas organizadas tem potencial para desenvolver esses biomateriais sustentáveis, adaptáveis e dinâmicos.
“Physicists and biologists at the University of Warwick have teamed up to develop a new method for controlling cellular patterns, published in the journal ACS Synthetic Biology, titled ‘Pattern engineering of living bacterial colonies using meniscus-driven fluidic channels’, their new technique is called MeniFluidics.”

Artigo por University of Warwick, 17 de junho de 2020

New smart fabrics with bioactive inks monitor body and environment by changing color

Já imaginaste ter uma peça de roupa que mudasse de cor de forma a representar a forma como te estás a sentir? Bem, se já pensaste nisto, então estes investigadores na área da Biomédica leram-te os pensamentos! Graças a esta invenção, que utiliza o poder de “Bio-active Inks” sensíveis ao pH e a outras moléculas com quem entram em contacto, é possível receber informações sobre a condição de saúde de um individuo através da cor da sua T-shirt.

“Researchers at Tufts University’s School of Engineering have developed biomaterial-based inks that respond to and quantify chemicals released from the body (e.g. in sweat and potentially other biofluids) or in the surrounding environment by changing colour. The inks can be screen printed onto textiles such as clothes, shoes, or even face masks in complex patterns and at high resolution, providing a detailed map of human response or exposure.”

Artigo publicado em Tufts Now, 5 de junho de 2020

Using Weak Electric Fields to Make Virus-Killing Face Masks

Atualmente as máscaras comuns impedem apenas que o utilizador contagie outros, contudo não são eficazes a protegê-lo do vírus se contactar com alguém infetado.
Isto pode estar prestes a mudar! Engenheiros da Universidade de Indiana criaram uma máscara que utiliza um campo eleteomagnético fraco para eliminar os vírus antes de contagiarem o utilizador!

“The work is of interest for the scientific community; it will open new [areas to] search to provide smart solutions to overcome the COVID-19 pandemic”

Artigo escrito por Megan Scudellari, publicado em IEEE Spectrum, 28 de maio de 2020

CU Boulder engineer designing artificial limbs that restore sense of touch for amputees

E se fosse possível enganar o nosso cérebro por forma a sentirmos o toque de certas coisas, sem termos um contacto físico direto?

O crescente desenvolvimento na área de próteses tem sido notório nos últimos anos. Apesar disto, muitos pacientes amputados continuam a preferir não usar estas próteses, em grande parte devido à falta de sensação e de tato. Jacob Segil, engenheiro biomédico da Universidade de Colorado Boulder, está a desenvolver uma prótese para um membro artificial que visa restaurar este sentido a muitos que já não têm esta possibilidade!

Artigo publicado em Ausvi News, 28 de maio de 2020

Inteligência artificial em Medicina

“A IA veio para ficar na medicina e na saúde. O papel das Faculdades de Medicina na formação dos futuros médicos, equipando-os com as ferramentas necessárias a um desempenho adequado, é inquestionável. Neste sentido, a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa criou recentemente um núcleo de Inteligência artificial em Medicina.”

Artigo por António Vaz Carneiro, Fausto J. Pinto, em Público, 17 de fevereiro de 2020

Caltech’s Brain-Controlled Exoskeleton Will Help Paraplegics Walk

A maior parte das pessoas consegue mover-se para a frente, sem cair, a partir de primeiro ano de vida, mas foram preciso décadas para os robots conseguirem andar podendo ajudar pessoas. Mas e se os robots pudessem auxiliar pessoas com lesões na medula espinal a andar através dum exoesqueleto controlado pelo cérebro?
“The RoAMS initiative will attempt to use this technology to exploit the user’s own nerves and muscles to assist with movement and control of the exoskeleton—even for patients with complete paraplegia.”

Artigo por Evan Ackerman, publicado em IEEE Spectrum, 6 de janeiro de 2020

AI-Designed 'Living Robots' Crawl, Heal Themselves

“Now, a team of scientists at the University of Vermont and Tufts University in Massachusetts has used a supercomputer to design novel lifeforms with specific functions, then built those organisms out of frog cells.

The new, AI-designed biological bots crawl around a petri dish and heal themselves. Surprisingly, the biobots also spontaneously self-organize and clear their dish of small trash pellets.”

Artigo por Megan Scudellari, em IEEE Spectrum, em 15 de janeiro de 2020

Cientistas criaram "máquinas vivas" a partir de células de rã para usar na medicina ou limpeza ambiental

“Cientistas nos Estados Unidos criaram “máquinas vivas” com um milímetro de diâmetro a partir de células de rã e afirmam que podem vir a ser usadas para administrar medicamentos dentro do corpo de doentes.
(…)
‘É um passo no sentido de usar organismos desenhados por computador para administrar medicamentos de forma inteligente’, afirmou Bongard.”

Artigo publicado em Observador, em 13 de janeiro de 2020

Snippet: Dogs undergo fMRI to show off their numbers skills

“The study is “compelling and exciting,” says Michael Beran, a psychologist at Georgia State University in Atlanta who was not involved in the research. “It further increases our confidence that [these representations of quantity in the brain] are ancient and widespread among species.”

The ability to rapidly estimate the number of sheep in a flock or ripened fruits on a tree is known as the “approximate number system.” Previous studies have suggested monkeys, fish, bees, and dogs have this talent. But much of this research has used trained animals that receive multiple tests and rewards. That leaves open the question of whether the ability is innate in these species, as it is in humans.”

Artigo por Virginia Morell , 17 de dezembro de 2019

A microneedle-based patch designed to provide birth control for up to a month

“A team of researchers affiliated with several institutions in the U.S. has developed a microneedle-based patch as a means of delivering birth control drugs.
(…)
…a microneedle-based patch that is meant to protect a woman from pregnancy for up to a month at a time.”

Artigo por Bob Yirka , publicado em Medical Xpress, 7 de novembro de 2019

Repairing Organs With the Touch of a Nanochip

“Researchers at Ohio State University developed a way to change cells inside the body from one type to another—with just one touch from a nanochip. This new technology, called “tissue nanotransfection,” could be used to repair and regenerate body tissues, including organs, in a way that is non-invasive and painless.”

Artigo por Alyssa Pagano, publicado em IEEE Spectrum, 12 de agosto de 2017

Brain-Controlled Exoskeleton Enables Paralyzed Patient to Walk

“A quadriplegic patient has walked again thanks to a brain-controlled robotic exoskeleton suit being tested in the lab, according to a team of researchers in France. Their findings were published this month in “The Lancet Neurology”.”

Artigo por Emily Makowski, publicado em The Scientist, 4 de outubro de 2019

Making "Smart" Cells Smarter

University of Maryland researchers developed a technique to drive teams of bacteria to work together autonomously.

By tapping into the world of metabolic engineering, researchers have also developed techniques to create “smart” bacteria capable of carrying out a multitude of functions that impact processes involved in drug delivery, digestion, and even water decontamination.

Artigo publicado em IEEE Spectrum, 18 de setembro de 2019

Startup uses virtual reality to help seniors re-engage with the world

“Hayes had enrolled in MIT’s Sloan School of Management with the idea of helping older adults overcome depression and isolation through the immersive world of virtual reality. Now he needed to test his idea.
Hayes turned on a virtual reality experience featuring a three-dimensional painting by Vincent Van Gogh and a classical piano playing in the background. Nervously, he placed the headset on the man. What happened next stunned everyone in the room.”

Artigo escrito por Zach Winn, em MIT News Office, 12 de setembro de 2019

Magellan Health uses smartphone-based AI tech to help Hep C patients

Non-adherence is one of the factors contributing to non-optimized medication use – the latter a term that describes all the reasons an individual doesn’t take medications including costs, lack of ability to pick up the prescription and many others. In order to better understand this, one has to look at the lifecycle of treatment to see where non-adherence takes place.

For that point where technology can step in, Magellan Health selected health IT from vendor AiCure. AiCure uses an artificial intelligence platform to see, hear and understand how people respond to treatment through a patient’s smartphone. This technology captures and analyzes behavioral data – video and audio patient information that shows how people respond to medical conditions and treatment.

Artigo escrito por Bill Siwicki, em Healthcare IT News, 12 de agosto de 2019

An artificial nervous system can detect touches more than 1,000 times faster than the human sensory nervous system

“The human sensory nervous system is extremely efficient (…) and very robust to damage. If we can mimic how our biological system works and make it even better, we can bring about tremendous advancements in the field of robotics where electronic skins are predominantly applied.” explained Asst Prof Tee, who has been working on electronic skin technologies for over a decade.

“ACES can be easily paired with any kind of sensor skin layers, for example, those designed to sense temperatures and humidity” added Prof Tee. (…) For instance, pairing ACES with the transparent, self-healing and water-resistant sensor skin layer also recently developed by Asst Prof Tee’s team, creates an electronic skin that can self-repair, like the human skin. This type of electronic skin can be used to develop more realistic prosthetic limbs that will help disabled individuals restore their sense of touch.

Artigo escrito por  Innovation Toronto, 21 de julho de 2019

Machine learning algorithms that combine clinical and molecular data are the “wave of the future,” experts say

Lennon, Wolfgang, and others set out to build a tool to sift through patient information in the hopes of identifying patterns to distinguish low-risk from high-risk cysts. To do so, they gathered data from hundreds of patients at Hopkins and 15 medical centers around the world who were diagnosed with a cyst and then underwent surgery to have it removed. After surgery, each cyst was examined and classified as having either no risk, a small risk, or a high risk of progressing to cancer.

Artigo escrito por Megan Scudellari, em IEEE Spectrum, 17 de julho de 2019

Device performs robot and laser assisted cutting of bone

Cyrill Bätscher, CEO of AOT, said: “We are thrilled to have reached first-in-man clinical use of Carlo. The device allows contactless robotic surgery for the first time, which is made possible by our laser technology. From the initial phase of robotic surgery in the 1990s, we have learned that haptics was playing a crucial role with regards to patient safety. We anticipate significant clinical interest for this innovative platform once cleared for commercial distribution in the upcoming months.”

The device provides an approach to automatically and accurately perform osteotomies according to pre-planned cut lines via cold photoablation and a digital workflow. The goal of the current first-in-man study is to demonstrate the performance and safety of Carlo in a clinical context. The three hospitals participating in the study are the University Hospital Basel, the Kantonsspital Aarau, and the Vienna General Hospital (AKH Wien).

Artigo escrito por Med-Technews, 17 de julho de 2019

At the Heart of Innovation | CMU researchers solve hard problem of 3D printing soft tissue

“What we’ve shown is that we can print pieces of the heart out of cells and collagen into parts that truly function, like a heart valve or a small beating ventricle,” said Adam Feinberg, a professor of biomedical engineering (BME) and materials science & engineering, whose lab performed this work. “By using MRI data of a human heart, we were able to accurately reproduce patient-specific anatomical structure and 3D bioprint collagen and human heart cells.” (…)


This method is truly exciting for the field of 3D bioprinting because it allows collagen scaffolds to be printed at the large scale of human organs.

Artigo escrito por Emily Durham, em Carnegie Mellon University, 1 de agosto de 2019